terça-feira, 6 de setembro de 2011

PALAVRAS DE SYLVIE GUILLEM QUE BEM NOS SERVEM...



"Meu problema com a dança é que ela pode seguir uma receita que é muito eficiente, mas é apenas uma receita. Nesse caso, será bom, mas não será excelente – não será excepcional, não será extraordinário. [...]
O trabalho tem de ser pessoal, caso contrário, não há envolvimento – você não está lá, você está apenas reproduzindo algo que não é seu, e você não é você mesmo quando está fazendo isso, então, qual é o propósito? Pode ser muito agradável de olhar [de assistir], mas não é para alguém, e ninguém vai recebê-lo. Não há troca com o público se não é pessoal, se não há sua identidade nele. [...] Se você está fazendo dança clássica ou moderna, é sobre suas escolhas – suas escolhas de como fazer as coisas, como encontrar sua informação, o quão longe você vai pelo trabalho, o quão longe você empurra a disciplina, o quanto você luta contra os limites. [...]
Quando eu era jovem, a disciplina era tão difícil e há uma espécie de código, tudo tem o seu papel dentro da caixa, mas para ser capaz de seguir isso e ser feliz dentro das restrições – essas regras – você precisa ser guiado por seu sonho. Nunca fui impulsionada por um sonho. Eu nunca fui impulsionada por ser uma bailarina e isso me deu uma ampla oportunidade de escolhas. [...]
As regras que governavam esse sistema não eram para mim – o que era importante para mim era que eu estava experimentando. Eu tinha um forte instinto, e era uma espécie de animal em minha reação quando alguém me dizia: “Você tem de fazer isso!”. Se para mim não era relevante ou não tinha um propósito, eu respondia, “Não. Sinto muito.”
AnOther, Art Talks | Sylvie Guillem, 5 jul. 2011

- Sylvie Guillem ao longo de sua carreira sempre foi dona de sua dança. Dona de sua história. Tanto é verdade, que poucas pessoas sabem que ela foi primeira-bailarina da Ópera de Paris, com apenas 19 anos, e convidada do Royal Ballet. Tanto é verdade, que Sylvie Guillem continua sendo vista como uma das maiores bailarinas do mundo, mesmo aos 46 anos de idade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário