quinta-feira, 10 de março de 2011

DARK FUSION TRIBAL DANCE

DARK FUSION TRIBAL DANCE
POR RHADA NASCHPITZ -10/03/2011


O estilo de dança DARK FUSION, ou seja fusão obscura, é uma das vertentes do TRIBAL FUSION DANCE. Não é apenas a fusão de movimentos relacionadas à cenas Dark...Undergrounds... Pois a palavra TRIBAL exige conhecimento, e utilização como base , do ATS – American Tribal Style, e também das danças étnicas, orientais e contemporâneas, que geralmente fazem parte dessa fusão .Ou seja, não basta, por exemplo: colocar movimentos de Belly Dance fusionados com a estética obscura para dançar o Dark Fusion, pois os movimentos do ATS ou sua desconstrução e acréscimo de movimentos de outras danças, se fazem necessários para adaptação ao estilo . Sei que há a liberdade de expressão na Arte, permitindo por escolha ou até falta de conhecimento, o não uso do ATS, mas nesse caso é apenas fusão e não Tribal. É no universo underground onde se encontram as principais influências da fusão obscura do tribal fusion, principalmente na cena Dark e na Subcultura Gótica. A cena Dark está inclusa também na subcultura Gótica e vice-versa. Por vezes elas se confundem, andam juntas, e têm pontos em comum, principalmente na estética. Mas se divergem em alguns conceitos, e principalmente em preferências musicais. É importante sabermos que não são a mesma coisa. Além do mais a palavra Dark do Dark Fusion ,está relacionada à Darks Arts e não há uma subcultura ou cena específica. Está relacionada a toda manifestação Artística que tenha como temática o conceito underground, obscuro, dramático, onírico, fantástico, teatral.... É CLARO, que há grande influência e identificação com a Subcultura Gótica, mas por não só trabalharmos com as características dessa subcultura, ( EU ) não acho conveniente chamar de Gothic Fusion esse estilo, como muitas vezes acontece . O Dark Fusion em sua estética é por vezes bem Gótico (mas nem sempre), mas a dança carrega diversas influências não associadas à essa cena, além de não estar restrita apenas as músicas exclusivas da mesma em suas manifestações artísticas. Outro aspecto importante : Identificação com este estilo é fator primordial. Gostar desse conceito de Arte e estética deve ser característica da personalidade de quem se propõe a expressar-se com esta vertente. Mas ao mesmo tempo, não basta você se identificar, ter afinidade, conhecimento, vivência ou fazer parte desse universo underground. É claro que quem já faz parte desse universo irá conseguir expressar e representar com mais espontaniedade e autenticidade as características desse em sua dança, mas mediante a um conhecimento técnico ( estudo do ATS e das danças a serem fusionadas). Senão vira qualquer coisa, menos Tribal Fusion, e ainda distorce o entendimento do que é este estilo. Aproveitando a questão que para dançar Tribal Fusion, seja qual for sua vertente, é preciso conhecimento,pesquisa,técnica... Dessa dança. Não podemos falar da vertente Dark sem conhecer as características básicas da cena obscura, principalmente da Subcultura Gótica, sua maior influência.
Bom, vou tentar resumir de forma clara tudo que pesquisei ,juntamente com a minha experiência por identificação e personalidade dentro desse universo das cenas underground. Sempre digo : Meu ingresso no Dark Fusion foi natural, faz parte da minha personalidade, do meu jeito de ser ,de vestir , das músicas que escuto...Não me adaptei ao Dark Fusion, foi o Dark Fusion que me caiu como luva... Meu estilo, minha dança, meu modo espontâneo de expressar...




1- A “cultura” Dark ou Obscura.:
Como já mencionei, muitas vezes se confundem com Góticos, pode-se supor que tenha surgido em meados da década de 90, como um “derivado” da subcultura Gótica, reunindo indiretamente e intensificando seus elementos românticos. Caracteriza-se por valores individuais, tendem a buscar expressões artísticas identificáveis com a própria personalidade, valorizando diversas manifestações artísticas. Além de uma perspectiva poética e subjetiva da própria existência, melancolia, introspecção, medievalismo, surrealismo...Pode também abrigar aspectos que sugerem contra movimento social, embora não haja apologia social ou política. Não há ponto de partida para a origem da cena Dark, pois não há uma interação entre adeptos dessa “cultura “, pois não se caracterizam como grupo ou “tribo urbana”, mas apenas como indivíduos que se identificam com determinados aspectos comportamentais e artísticos de características que compõem uma cultura de atmosfera sombria, romântica e poética... Se misturam na cena underground. Se diferem dos Góticos também pelos estilos musicais derivados do metal (Gothic metal,doom metal, metal sinfônico, ethereal (dark ambient), mas nada é regra. Para as características da cena Dark ficarem mais nítidas, até podemos associar ao Romantismo Literário, não só ao aspecto artístico como comportamental (Allan Poe, Lord Byron, Lovecraft...) . Nas plásticas e estética, as emoções são figuradas e personificadas. Anjos e demônios convivem como as ilustrações de Willian Blake, o terror em Nosferatu... Castelos, Catedrais, Gárgulas e Quimeras coexistem em paisagens impregnadas de lirismo. Diversas culturas de épocas distintas se encontram na cena Dark: Do romantismo ao modernismo, da prosa a poesia, do sacro ao profano... Uma “cultura” que não necessita de regras, apenas de identidade, e que não pode ser sintetizada em algumas palavras. Mas que é ampla e democrática para abrigar elementos tão distantes e incluí-los sob a mesma perspectiva. Os adeptos acreditam no poder interno , em uma inspiração pura e misteriosa, além de obscura e intensa. A agressividade não é expressa por violência, mas sim pela surrealidade (algo além da realidade). O expressionismo a dramaticidade são aflorados pelos sentimentos e pensamentos com significados escondidos como: A cor vermelha para paixão e sofrimento, a cor preta em alusão a noite, escuridão, fim... Há uma valorização intensa de tudo que está relacionado à Arte (teatro,cinema,literatura,pintura, música,dança...)
Justamente pela ênfase nas Artes Obscuras, independente da cultura ou subcultura, cena , correntes, épocas... Pela característica de identidade e individualidade, da grande valorização da Arte, que a palavra Dark se adequa em nossa dança, sem se prender a um grupo determinado, podendo assim utilizar elementos e características de qualquer expressão obscura, como por exemplo as da subcultura gótica.



2- Subcultura Gótica.
O termo Gótico já teve inúmeros significados nos últimos 2000 anos. Alguns relacionados entre si e outros não. O Gótico ao qual me refiro, está relacionado a subcultura urbana que surgiu na Inglaterra no final da década de 70 e início de 1980, se desenvolvendo e espalhando-se pelo mundo inteiro até hoje, sendo uma das cenas que influência o Dark Fusion Dance. O termo Gótico em algum momento histórico pode ser relacionado aos “Godos”, povo bárbaro que invadiu o Império Romano; à arquiteturas de catedrais da Renascença...Mas com o passar do tempo, o termo ganhou significados diferentes, é o caso da Subcultura Gótica. O uso do termo Gótico desvinculado do seu significado original surgiu na passagem dos anos 70 para os 80 , o rótulo Gótico foi usado inicialmente como adjetivo, ironia ou brincadeira para definir um estilo ( música,visual,comportamento ) que surgiu na Inglaterra, e onde a palavra agrega, como uma gíria, sentidos que lembram vitoriano, medieval, onírico, sombrio, fantasmagórico, macabro... Influenciados pelo movimento literário chamado Romantismo ( Entre o séculos XVIII e o XIX ), e ligado ao Romance Gótico ( crítica aqueles que lamentavam o fim da Idade Média após já terem se passado mais de um século,assim tornando um nome pejorativo em um nome de uma estética) , que ajudou a estabelecer a imagem do Gótico como sombrio... Lembrando Também, que o sentido exato que foi usado para designar a subcultura que surgiu em 1980, foi metafórico e também irônico, indiretamente, influenciado por esse movimento literário. Mas muitas outras coisas influenciaram também essa subcultura, de forma direta, indireta, contextual, além de também ocorrer a reapropriação de conceitos... Após 1983, o nome pegou completamente, denominando até hoje a subcultura mundial que se originou na Inglaterra. Outro questão que também devemos ressaltar, é que o Gótico não surgiu apenas do Pós-Punk. Este teve efeito de dar ênfase em vários Artistas, mas muitas influências diretas do Gótico são anteriores ao Punk (1976-1977). Basta saber que de 1979 à 1983, entre muitas bandas que foram consideradas Pós-Punk, apenas algumas eram ao mesmo tempo consideradas Góticas. Assim nem tudo que é Pós-Punk é Gótico. Se o Gótico tivesse surgido simplesmente do Punk, a maioria de suas características principais teriam surgido do nada. O Glam Rock, o New-Romantic e o Kraut-Rock...,Por exemplo, também tiveram grande influência. Sem falar nas influências não musicais. Sem dúvida a música é um eixo importante,mas como qualquer cultura, outros elementos também fazem parte. Ou seja o Gótico não é apenas um estilo musical, outra questão também muitas vezes interpretada erroneamente.
Como toda subcultura ( e cultura ) moderna, a Subcultura Gótica “roubou” quase todos seus artefatos e símbolos de outros sistemas estéticos e simbólicos, montando um novo sistema. No qual esses elementos reapropriados são resignificados. Sendo assim, o “significado da Subcultura Gótica”, analisando em detalhes seus elementos isoladamente, pode mais no confundir do que esclarecer. Somente em relação ao sistema de representações da mesma, é que esses elementos produzem o sentido desta. E ainda é preciso enfatizar que, seus membros montam seus estilos selecionando os elementos da consistência Gótica e poucos, ou senão nenhum, adotam todos.
Quem quiser se aprofundar mais nas características da Subcultura gótica, indico o livro:
- A HAPPY HOUSE IN BLACK PLANET-Introdução à Subcultura Gótica, de H.A.Kipper.



A- O OBSCURO E O MACABRO NA DANÇA.
Nem tudo que é obscuro e/ou macabro se insere no repertório e sensibilidade da dança Dark Fusion, mas se a relacionarmos com a cena dark e subcultura gótica ,são elementos essenciais. Desde a década de 80, apesar das atualizações de visual e repertório...Alguns elementos estéticos de ambas permaneceram quase imutáveis: A preferência por uma estética roubada de filmes e peças expressionistas, de terror, misturados a elementos circenses, Vaudeville, de cabaret, vitorianos, glam... E de filmes noir,sejam policiais ou de ficção científica. Conseqüentemente influenciam demais na estética e expressão de nossa dança. Como também a maquiagem de forma semelhante ao cinema expressionista ou Teatro Butoh, com faces esbranquiçadas e traços pretos alongados ao longo dos olhos ou rosto. Ou seja maquiagem de teatro, cinema antigo, cabaret ou circo , com intuito de expressar dramaticidade ou androgenia, num contexto “fuga e crítica” á sociedade Industrial- Positivista. Vários elementos estéticos considerados “Antigos” de grupos considerados “Underground” ou “Decadentes”, ”Pervertidos”, ”Artísticos” do passado, também são características bastante exploradas, assim como Também uma atitude “Camp”(ou teatral auto irônica) condizente com essa estética. O figurino, baseado no vestuário Obscuro ou Gótico, tem como base a cor preta, aceitando algumas cores como sobreposição. Quais cores e a quantidade delas é uma tendência interna, que varia ao longo das décadas dentro de cada cena. Por exemplo:Na subcultura gótica, na passagem dos anos 80 para 90 temos o predomínio do preto, e no final dos anos 90, temos a volta de algumas cores antes até “proibidas”,como o verde limão e o rosa, usados em detalhes sobre o preto, devido a influência cyber goth. Mas as tendências ligadas aos estilos Batcave e Deathrock também voltaram com força na sua sobreposição infernal de texturas, cores e materiais rasgados. Também as roupas com estilo Vitoriano e seus babados...Elementos bem típicos dessa cena e também bastante usados no figurino da dança. A quantidade de jóias prateadas espalhadas pelo corpo e roupas também permaneceu, tanto no Dark como no Gótico, tendo apenas aumentado em quantidade e variedade durante os anos 90, especialmente com a popularização dos piercings Mas vale ressaltar que estes elementos decorativos são usados em conjunto com outros elementos historicamente usados e claramente “obscuros e sinistros”, como forma de manter a identifição de cada grupo.
Na música, percebemos uma variedade de estilos musicais, e o que unifica essa variedade é o uso de recursos que buscam causar efeitos normalmente objetivados como “ESCURO”, profundo,sombrio...Mesmo nos estilos musicais mais comuns da Subcultura Gótica que são dançantes ou agitados como o rock , o synth-pop, a darkwave, eletro, “Indie”... No Dark Fusion não usamos só os estilos musicais Góticos, para buscar o efeito obscuro. Podemos usar do Heavy metal à músicas orientais e étnicas que identifiquem esse efeito, um dos motivos, como já mencionei, porque não gosto de chamar de Gothic Fusion.


B-ABSORÇÃO DE ELEMENTOS DE ESTILOS RELACIONADOS .
Um ponto bem comum entre a Subcultura Gótica e a Dança Dark Fusion. Assim como na subcultura, é preciso salientar que a criatividade, e um certo nível de “contravenção” em relação ao que é “visual padrão” de certa época na cena , é algo geralmente visto como positivo. Princípios como”faça você mesmo”seu estilo, é ponto em que a dançarina colocará sua personalidade na estética. A “colagem” com estéticas de outras subculturas,cenas ou culturas, necessita forte consciência dos padrões estéticos destes, pois seus elementos são usados como “detalhes”sobre uma base mais “consistentemente gótica ou obscura”. Geralmente são mais usados elementos de grupos considerados “alternativos”. Apesar de hoje já termos grifes especializadas na estética gótica, e até no tribal obscuro, são os brechós, lojas de roupas, sapatos e utensílios usados ou antigos, que oferecem uma enorme variedade de elementos para a composição e inspiração para confecção de figurino, tanto de um estilo gótico clássico, como de um composto de elementos relacionados. As peças mais típicas do vestuário dessas cenas obscuras, primam pelo excesso, por adereços “inúteis”, seja na sobreposição de um visual pós-punk ou no rococó de visual neo-vitoriano. Em ambos os casos temos o afastamento do “funcional”, do “prático” e do “natural”. E uma busca do artifício, do artificial e do artístico, e diferenciação em relação ao “gosto popular” e “mundano” .Não podemos esquecer das tendências estéticas que surgiram no final dos anos 90 na cena gótica. A incorporação de alguns elementos de música eletrônica, levou a tendências estéticas complementares, com a estética “Cyber”:Tops, vestidos e calças apresentando desenhos brilhantes ou sensíveis a raios ultra-violeta, cabelos coloridos, ou com apliques... Também a música industrial deu ânimo masculino à feminilidade espiritual da subcultura gótica, de forma que o casamento arranjado entre o gótico e o metal nunca foi consumado.”Eu vejo o industrial e o gótico como dois lados da mesma moeda- yin e o yang – o masculino e o feminino ( Alicia Porter-Study of Gothic Subculture).
O Gótico expressa o emocional, a beleza, o sobrenatural, o feminino, o poético, o teatral ; e o Industrial incorpora o masculino, a raiva, a agressividade, o barulhento, o científico, o tecnológico, o político...( Gothic Ghic -Gavin Baddeley. Pag 281).
Na mistura de influências da Dança Dark Fusion, apesar de haver numerosos elementos agrupados de diferentes fontes... Existe um estilo obscuro diferenciado e bem discernível, o qual se manifesta consistentemente de um indivíduo para o outro, sem perder as principais características deste.



C- A TEATRALIZAÇÃO E O CORPO.
Devemos ser uma obra de arte, ou vestir uma obra de arte”-Oscar Wilde -1900.
Acho aqui, a parte da pesquisa que mais interessa a Dança Dark Fusion, e que mais demostra a grande influência da Subcultura Gótica e da Cena Dark. Em ambos , o visual, a dança,a música, as atitudes e as posturas formam uma linguagem estética codificada que concorda com uma nova percepção da corporidade (conjunto de traços concretos do corpo como ser social): Perceber os corpos como “Obra de Arte” é reconsiderar seu valor em um mundo onde nossos corpos não nos pertencem mais verdadeiramente”(Durafour,2005). Nessas cenas como na Dança Dark Fusion temos uma teatralização do ambiente e dos comportamentos, e a transformação de nós mesmos e de nosso corpo. Uma visão de si mesmo em uma sociedade percebida como desencantada. Um culto da evasão e da irracionalidade, permitindo paradoxalmente, se reencontrar pela reapropriação do corpo (...graças a uma certa ética da estética). O tipo de Teatralização ou “exagero” no comportamento e interação entre os góticos ou darks, faz com que o indivíduo se “reaproprie de seu corpo”, fazendo dele um certo discurso. Assim, a expressão corporal se torna um produto social e cultural. O modo de dançar no meio de ambas cenas, é a expressão e teatralização de sentimentos em “coreografias improvisadas” .O estilo de dança gótica ou obscura oscila entre o teatral e o dramático, “etérico” ou ondulatório, simula e busca uma imagem de “transe” e “sublime”. Veicula uma gama de emoções das mais diversas, com sons inquietantes, atmosfera inabitual, cinematográfica...Cria um espaço separado do mundo, fantástico e fantasmático, que comenta o terrível mundo “lá fora”.Pelo universo fortemente teatralizado, tudo é questão de representação e manipulação estética. É claro que outros grupos e meios também teatralizam, mas com significados e intensidades diferentes. Às vezes a atitude teatral acaba causando um mal estar exatamente por funcionar como um espelho de comportamentos “escondidos” ou “dissimulados” de nossa civilização atual. Torna-se horripilante para pessoas que não entendem como Arte, a teatralização obscura, ou seja, perdem a profundidade psicológica : “A vida em geral torna-se “teatral”, uma “morte em vida”, e os “Eus” corporificados tornam-se meros atores ou caricaturas...” A Arte obscura é uma resposta lúdica a um conjunto de questões de nossa sociedade moderna.

ENTÃO : A fusão obscura do Tribal Fusion, Dark Fusion, é a teatralização unida a dança com manifestação Artística de temática e estética Obscura . Que está vinculada a um universo underground, dark, gótico...dramático, onírico,fantástico, misterioso, expressionista, surrealista, romântico, circense, teatral, sombrio vitoriano,fantasmagórico, de humor-negro... Um mundo à parte dentro da Arte.

Referências Bibliográficas:
  • A HAPPY HOUSE IN BLACK PLANET-Introdução à Subcultura Gótica, de H.A.Kipper.
  • GOTH CHIC- Um guia para a Cultura Dark- Gavin Baddeley .

TEXTO PROTEGIDO 
Licença Creative Commons
A obra Dark Fusion Tribal Dance de Rhada Naschpitz foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Brasil.
Com base na obra disponível em rhadadarkdancer.blogspot.com.
Permissões adicionais ao âmbito desta licença podem estar disponíveis em rhadadarkdancer@gmail.com.

4 comentários:

  1. SENSACIONAL! Agora só não faz direito quem não quer, esse texto define bem o Dark Fusion!! Beijos e parabens!!

    ResponderExcluir
  2. Caracaaaaaaaaaaaaa Rhada...eu nunca havia visto, o Dark dessa forma!!!
    Parabéns...um texto belíssimo e muito bem escrito!!
    Arrasou!!!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns!!! Era tudo que eu precisa ler para me empolgar ainda mais por esta fusão que sempre admirei!

    ResponderExcluir